Trazendo os Artistas de todas as Artes para 

dentro da Igreja de YESHUA


Houve um tempo em que se alguma pessoa recebia um adjetivo como ‘intelectual’, ‘artista’, ‘culto’, ‘estudado’ e etc., era massacrado pelos meios religiosos, pois acreditavam que estas palavras denunciavam que estas pessoas eram heréticas, atéias, blasfemadoras e, pasmem, até endemoninhadas. Perante estes arremedos de igreja, todas estas pessoas eram rotuladas de ‘pecadores humanistas’ e recebiam das congregações o anátema do suplício eterno. Nem mesmo o termo ‘humanista’ era compreendido segundo os anais acadêmicos, pois era aplicado simplesmente como xingamento. Nenhuma de suas ‘ovelhas’ eram incentivadas a se tornarem cultas na completa acepção da palavra. A Cultura não era considerada uma bênção de D’US. E quando algumas de suas ovelhas demonstravam aptidões artísticas, eram levadas a se tornarem cantores ou tocadores de instrumentos musicais em seus cultos religiosos e iam produzindo alheios aos estudos e estragando nossos ouvidos. Prova disto é que há muito pouco tempo este meio musical começou a melhorar a qualidade de seus representantes e de seus produtos. Ouviam-se justificativas descabidas para aquele estado de desinteligência onde apresentavam argumentos que comprovavam delírios de uma religiosidade doentia, arrogante e enlouquecida. Quando muito, em alguns poucos lugares mais liberais, as produções das Artes deveriam se restringir à temática religiosa de qualidade muitíssimo duvidosa. O incrível disto tudo é que não estamos falando de séculos atrás, por mais que pareça não estamos falando da Era Medieval, mas de uma lamentável realidade de pouquíssimos anos atrás que, sinistramente, até hoje insiste em lançar os tentáculos da ignorância sobre as pessoas.

A Intelectualidade, os Estudos e as Artes não ameaçam e não são antagônicos ao PAI ETERNO YAHWEH-ADONAI. Um deus cuja existência é ameaçada por qualquer fator intelectual, não é deus. Um deus que se abala por qualquer tese de estudo, também não é deus. Um deus que teme as Artes, não é um deus.

É tempo de trazer todos os artistas de todas as Artes para dentro da Igreja de YESHUA (poetas, cronistas, contistas, romancistas, pintores, atores, dançarinos e bailarinos, cantores, escultores, músicos, etc.). É uma triste constatação que milhares destas pessoas não tenham aliança com D’US, nem com YESHUA e nem com HUACK HA KODESH, por causa desta impostura histórica dos meios religiosos. Olhamos para assentos das igrejas e não encontramos os poetas, os cronistas, os contistas, os romancistas, os pintores, os atores, os dançarinos, os bailarinos, os escultores, os cantores, os músicos, etc. Quando muito, encontramos alguns destes desde que estejam produzindo material religioso. 

Por isso é importantíssimo que se diga que, uma vez todos estes artistas dentro da Igreja de YESHUA, não necessariamente devam produzir artisticamente apenas dentro da temática religiosa. Desde que suas artes não sejam uma apologia ao Mal em todos os seus aspectos e nuances, deve-se conceder e respeitar o direito e a liberdade inalienável de cada artista em seus processos de criação e manifestação artísticas. 

Outras áreas do conhecimento humano não produzem apenas para corresponder ao arquétipo religioso vigente. Médicos não tratam apenas de religiosos. Advogados não advogam apenas as causas religiosas. Arquitetos não desenham somente plantas de templos. Administradores não gerenciam apenas igrejas. Professores primários, secundaristas e universitários não ensinam apenas a Bíblia. Contadores não contabilizam apenas dízimos e ofertas. Qualquer pessoa de qualquer meio religioso deseja e precisa se formar em uma destas áreas de conhecimento acadêmico para se manter e manter os seus neste mundo. E uma vez no exercício pleno de suas profissões atendem tanto crentes como não crentes, tanto ímpios como santos, tanto fiéis como infiéis e suas profissões e performances pessoais são elogiadas e desejadas por todos.

Porque é cobrado somente dos artistas, dos que são cultos, dos intelectuais que os mesmos restrinjam suas capacidades para se expressarem apenas segundo a conceituação religiosa? Que estória é esta de que se a pessoa canta, deve cantar apenas hinos? Se a pessoa toca música, deve tocar apenas louvores? Se a pessoa é poeta, deve apenas escrever salmos? Se a pessoa é escritor, deve escrever apenas sobre religião? Que estória da carochinha é esta que estão nos contando?!

Sabe o que isto gerou? Gerou a indústria gospel! Muita gente produzindo conforme os ditames da temática religiosa, mas muitas destas vidas não se prestam a nenhum bom testemunho de caráter santo. São transvestidos e mascarados de religiosos para venderem seus produtos a este ávido, numeroso e promissor mercado gospel. Mercado este que ficou tanto tempo privado de Arte com Qualidade, que hoje compra qualquer coisa a torto e a direito se iludindo e se consolando que estão comprando de ‘santos irmãos’. Ledo engano!

Neste atual panorama onde o pecado da religiosidade grassa livremente produzindo toda sorte de hipocrisias, doutrinas sofistas e pseudo-teologias, muitos desconhecem por completo que em Yisrael, nos tempos da Primeira Aliança, havia uma região conhecida como Vale dos Artífices (Artistas), localizado em Lode e em Ono, liderado por Joabe que era filho de Seraías. Lá viviam os artistas! E foi deste Vale dos Artistas que saíram os mestres que embelezaram o Templo de D’US reproduzindo suas artes através do ouro e da prata. D’US mandou chamar estes artistas para embelezarem Sua Morada. Vejam que os mesmo não aprenderam suas artes de nenhum sacerdote, nem dentro do Templo nem dentro de nenhum centro religioso, mas evoluíram seus talentos artísticos entre seus pares de tal forma que o próprio D’US os requisitou por um tempo. Qual é a referência bíblica? Não vou dizer para não ajudar os que são preguiçosos. Basta dar uma lidinha rápida na Bíblia que logo se encontra. É jogo rápido. Começa em Gênesis e termina em Apocalipse! É rapidinho...!

Shalom! Pastor e Profeta Eder Pinheiro
www.comunidademakadesh.com
Comments