No Deserto da Judéia

Sinal de D'US no Deserto da Judéia 
 
Chuva Temporã, Chuva Serôdia de D'US no Deserto da Judéia
 
 
Estávamos em Jerusalém, eu e o grupo de irmãos com os quais visitei Israel em 2009, e preparávamos para descer em direção ao Mar Morto passando pelo Deserto da Judéia. Nosso guia judeu, o Miguel, repetidas vezes chamou nossa atenção sobre os perigos da desidratação, sobre a praticamente nula umidade do ar, sobre a necessidade vital de tomarmos muita água para nos mantermos devidamente hidratados porque já haviam três que não chovia um gota de chuva no Deserto da Judéia. Seguimos nossa viagem passamos pela Pousada do Bom Samaritano, vimos e fotografamos acampanhamentos beduínos no Deserto da Judéia, fomos a Jericó vimos o Sicômoro a árvore de Saqueu, subimos ao Monte das Tentações, visitamos as Cavernas de Quram e continuamos viagem apreciando na paisagem árida do Deserto da Judéia. No final da tarde, já escurecendo, nosso guia Miguel chamou nossa atenção para o terreno do nosso lado direito e nos mostrou regos, sulcos profundos rasgados na areia pedregosa do deserto. Ele nos disse que quando chovia nas colinas ao norte do Deserto da Judéia um grande volume de enchurrada descia pelas ribanceiras e às vezes as manilhas por debaixo da auto estrada não comportavam o grande volume de águas, entupiam de areia e pedras e as águas transbordavam por sobre o asfalto, arrastando carros e que aquilo era muito perigoso para os veículos. Nos disse que alí onde estávamos, no deserto, muitas vezes nem sinal de chuva havia porque elas caíam lá nas colinas mas a enchurrada descia de repente arrastando tudo pela frente; mas não era para nos preocuparmos porque já tinha 3 anos que não chovia nas colinas do deserto. Poucos minutos depois, notamos chuviscos nas janelas e pára-brisas do ônibus e em seguida constatamos que chovia no Deserto da Judéia após 3 anos de estiagem. Mal tínhamos constatado a chuva, o ônibus freou bruscamente, paramos no meio da estrada porque ela estava completamente alagada! Estava chovendo e a enchurrada tinha transbordado sobre o asfalto, um ônibus que vinha na outra pista foi tirado da estrada e o trânsito estava parado, pessoas fora de seus veículos e água, muita água mesmo descendo do céu e das ribanceiras das colinas. Pois então, enquanto atravessávamos o Deserto da Judéia, choveu, choveu tanto que transbordou a estrada após 3 anos sem cair um gota de chuva. Neste momento D'US me revelou coisas que rapidamente anotei após minhas emoções se controlarem um pouco mas que aguardam a ordem DELE para virem à luz. As fotos aqui são as duas únicas que consegui tirar naquele momento único. Sei que nada provam, mas são as fotos verdadeiras que tirei no momento que chovia e transbordava após três anos de estiagem quando eu e meu grupo de irmãos atravessámos o Deserto da Judéia. Todos que estavam comigo naquela viagem presenciaram este instante, são testemunhas deste relato aqui descrito. Vivemos um momento de prodígio e de maravilha proporcionado a nós pelo nosso D'US ETERNO!