Entendendo o Enxerto da Igreja Gentílica na “OLIVEIRA” que é ISRAEL (Romanos 11)

Poucos crentes entendem realmente o significado profético de Romanos capítulo 11, escrito por Paulo. Alguns pontos deveriam ser aqui ressaltados:

Primeiro, Deus não rejeitou o povo e a nação de Israel (Rm 11:1-2);

Segundo, existiu, existe e existirá um remanescente  segundo a eleição da graça, ou seja, aqueles judeus que creram em Yeshua (Jesus), como os apóstolos no primeiro século, aqueles judeus que se converteram ao longo da história até os dias de hoje e, aqueles que ainda reconhecerão o Messias Yeshua, como o Messias de Israel;

Terceiro, precisamos entender que, excetuando estes judeus messiânicos que hoje estão na graça, o próprio Deus deu aos judeus um espírito de entorpecimento, olhos para não verem, e ouvidos para não ouvirem, até o dia de hoje (Rm 11:5). Em seguida, Paulo pergunta: “...Por ventura tropeçaram para que caíssem ? de maneira nenhuma, antes, pelo tropeço veio a salvação dos gentios, para os incitar à emulação.” (Rm11:11). Vejam, tudo está no controle e no plano de Deus. Fico imaginando comigo, o que aconteceria se todos os judeus da época de Jesus tivessem o reconhecido como o Messias de Israel? Será que eles guardariam este segredo na arca a sete chaves e, talvez, não passariam para ninguém mais esta bênção da salvação e da vida eterna? Afinal, ter nossos pecados perdoados pela graça, misericórdia e pela obra da cruz seria algo demasiadamente grande e inacreditável para aquela época em que os mesmos esperavam um Messias que reinassem em glória sobre todas as nações. Mas, Deus conhecia seus corações. E, Paulo, no versículo seguinte nos dá uma tremenda revelação: “Se o tropeço deles (não reconhecer Jesus, como o Messias) foi riqueza para o mundo, e a sua diminuição a riqueza para os gentios, quanto mais a sua plenitude” (Rm11:12). Ou seja, se eles errando foram bênçãos para o mundo,  imaginem se eles tivessem reconhecido o Messias? No verso 15, o pensamento de Paulo torna-se mais claro: “ Porque, se a sua rejeição é a reconciliação do mundo, qual seria a sua admissão, senão a vida dentre os mortos?”.

Ou seja, a humanidade estava no seu paganismo, na idolatria, separada do Deus de Israel, e agora, eles (gentios) poderiam receber o Messias Yeshua e tornarem-se participantes da família de Deus. Mas, Paulo dá agora uma tremenda revelação: Se os judeus admitem que Jesus é realmente o Messias, então, não haverá a vida entre os mortos, ou seja, a ressurreição dos mortos? Segundo muitos teólogos, eles interpretam este versículo como sendo a ressurreição dos mortos em Cristo no Arrebatamento da Igreja ( I Te 4:16) ou o dia do juízo final, quando o Messias já tiver vindo e reinado com os vitoriosos, quando todos os mortos ressuscitarão para prestação de contas com o Senhor.  Seja qual for a interpretação correta, podemos concluir que, se os judeus começam a reconhecer Jesus, como  Messias de Israel, esta profecia se cumpre, e sua volta, então, é eminente, não é mesmo? A humanidade, como já dito, estava sem esperança, separada da casa de Israel (Ef.2: 12). Mas, Yeshua veio para o seu povo e parte dele não o reconheceu como o Messias (Jo 1:12). Que fez Deus, então? Fez com que aqueles “galhos” (judeus que não reconhecerão Jesus como o Messias) cedessem lugar aos crentes gentios de qualquer outra nação. Assim, a oliveira, o Israel espiritual de Deus, é uma “árvore” que só têm crentes. 
A raiz da “oliveira” está constituída pelos nossos pais da fé, Abraão, Isaac e Jacó. Depois, seguindo a história, temos a formação do povo hebreu, os reis de Israel, as 12 tribos, os profetas e, finalmente, Yeshua, o Messias. Quando este morreu na cruz, ressuscitou, desceu ao Sheol (lugar dos mortos) trouxe consigo todos aqueles que nele creram e foram salvos. Por isso, eu disse, que nesta “oliveira” agora há muitos ramos que são crentes, tantos gentios como judeus. No lugar dos galhos quebrados foi enxertado o povo gentio que Paulo o chama de zambujeiro, ou seja, mato, árvore sem qualidade de fruto. Pois, somente na pessoa do Messias pode-se produzir frutos (do espírito) claro! ( veja Gálatas 5:22).

Assim, juntos com os judeus crentes, os zambujeiros, agora enxertados na oliveira, começam a participar ou a receber a mesma seiva (bênçãos), formando, assim, o Israel de Deus. E, o que acontece agora? A Igreja de Yeshua, formada de judeus e não judeus podem no Messias dar frutos, participando da mesma raiz, onde o fundamento de nossa fé está galgado nos profetas (do Antigo Testamento), nos apóstolos e na pedra Angular, que é o próprio Messias Yeshua (Efésios 2:20).

É tremendamente profundo entender o significado desta oliveira, não é mesmo? Agora, você crente entender que mesmo não sendo judeu, ramo natural da oliveira, pode ser beneficiado através de muitas leis, como a dos dízimos, por exemplo. Por um acaso não é o dízimo um estatuto do Antigo Testamento (Lei) somente aplicado ou válido para os da Casa de Israel? Aonde está no Novo Testamento o estatuto do dízimo ordenado para a igreja gentílica? Não encontramos. Mas, pode ou não pode a igreja se beneficiar da bênção do dízimo? Resposta:- sim, pode. A igreja não judaica (gentílica) só pode pedir dízimos em suas igrejas porque seus membros em Cristo Jesus foram enxertados na oliveira que é o Israel de Deus. Então, os membros gentios do Corpo de Cristo têm direito de participar da mesma seiva que vem da mesma raiz. Em Gálatas 3:29 que diz:...” E. se sois de Cristo, então sois da descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa.” Hermeneuticamente, aqui está referindo a promessa da fé de Abraão, que por meio de Cristo temos ou nos tornamos herdeiros. Mas, será que aqui só recebemos a fé como herança ou temos direito pelo enxerto a todas as promessas desde Abraão para frente. Lembremo-nos que Abraão antecedeu a Lei de Moisés. Segundo minha opinião, um gentio crente em Cristo, enxertado nesta oliveira maravilhosa, tem acesso às promessas, ou seja, bênçãos ou heranças constantes no Antigo Testamento, como por exemplo a bênção da prosperidade, das festas bíblicas, das leis alimentares aplicadas à saúde, do descanso (o shabat) e muitas outras.  Elas são bênçãos e estão destinadas sob a forma de mandamentos, estatutos ou ordenanças somente para os judeus, mas se um gentio crente que se encontra enxertado na oliveira, ele, se quiser, está livre para receber todas estas bênçãos da Casa de Israel. Excetuando algumas leis específicas para os judeus, o gentio está livre para obedecer tais leis e receber delas as devidas bênçãos, sendo que a maioria delas está relacionada com a qualidade de vida e não, necessariamente, com a salvação a qual vem por meio da fé no Mashiach, o Cristo. Mas, gostaria neste momento que os olhos e os ouvidos dos crentes, meus irmãos já começassem a se abrir para estas grandes bênçãos e revelações advindas pelo simples fato de estarem enxertados na “Oliveira” que é Israel.

Os teólogos afirmam haver mais de 5.000 bênçãos só no Antigo Testamento. E se este número for verdadeiro, posso afirmar a você que qualquer crente, judeu ou não, que está enxertado através de Cristo nesta Oliveira, torna-se automaticamente participante de mesma seiva, podendo receber desta toda sorte (sortimento) de bênçãos que o Eterno quer que esteja disponível para todos os salvos. Aliás, até os não salvos podem se beneficiar se guardarem ou observarem alguma destas leis dadas ao povo judeu. Por exemplo, uma pessoa mesmo sendo incrédula que guardar a lei de honrar pai e mãe, com certeza terá seus dias de vida prolongados. O que muitos cristãos não entendem é que as leis universais estão disponíveis para todos. Elas não tem o propósito de  salvar, necessariamente, ou de trazer a eternidade, as quais recebemos só através da graça e da fé em Jesus, mas estas leis nos trazem qualidade de vida, além de revelar-nos o caráter do Deus Pai e de seu Filho Yeshua.

A pergunta que faço agora é: Não é hora dos crentes buscarem toda sorte de bênçãos que eles têm por direito, por que só parar nas leis do dízimo e da prosperidade?  Será que a hora agora não é de SER a seiva  e não só TER a seiva (Bênção)?

 

UMA ADVERTÊNCIA DE PAULO AOS CRENTES ENXERTADOS 

Paulo exorta aos crentes gentios no versículo 21 dizendo: 
...”Não te ensoberbeças, mas teme; porque Deus não poupou os ramos naturais, não te poupará a ti. Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus; para com os caíram, severidade; mas, para contigo, a bondade de Deus, se permaneceres nessa bondade; do contrário, também tu serás cortado.”

 

Em outras palavras, a igreja gentílica de hoje é tremendamente ensoberbecida da graça de Deus. Tudo é graça; faz tudo em nome da graça; compra tudo em nome da graça; até se contamina também com o mundo em nome da graça, mas se esquece que a graça não é de graça. Há um preço a ser pago. O texto acima diz que Deus é bondoso, mas é também severo. Se você permanece na Sua bondade, ou seja, obediente à Sua Palavra e à Sua lei (muitos acham que pelo fato de terem sido enxertados pela graça, estão totalmente isentos do compromisso com os princípios das leis do Antigo Testamento. Eu disse,  princípio, e não debaixo do legalismo da lei), então, a bondade Dele se manifesta em nós. Mas, se não permaneceres nessa bondade e obediência, Ele será severo e cortará você deste enxerto.

 

Da mesma forma, aquele judeu que não permanecer incrédulo será enxertado, porque poderoso é Deus para enxertá-lo novamente. O versículo 24, Paulo continua: ...” pois, se tu foste cortado do natural zambujeiro, e contra a natureza enxertado em oliveira legítima, quanto mais não serão enxertados na própria oliveira os ramos naturais! Por que não quero que ignoreis este mistério...que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios... e assim todo o Israel será salvo, como está escrito..”

 

Pelo menos, temos que considerar três pontos importantes: O gentio pode ser cortado da oliveira, do Israel espiritual de Deus, não participando mais da seiva de bênçãos da oliveira; segundo, Deus não esconde uma predileção (não no sentido de acepção, mas no sentido de alegria, prazer pelo povo escolhido) ser ramos naturais e voltar a ela; terceiro, trata-se de um mistério, que vamos entender só mais tarde, pois quando houver entrado a plenitude dos gentios Israel será salvo (Rm 11:26). O que é plenitude, o sentido aqui é de algo completo, um número, uma quantidade? Creio que não só quantidade, pois plenitude fala de algo que é completo, pleno, então, fala também de qualidade. Será que está falando aqui da qualidade de fé do crente? Da sua maturidade e da sua estatura do varão perfeito, semelhante a Jesus? Lembrem-se que o maior propósito de Deus é ter filhos semelhantes a Jesus, o Messias (Rm 8:29). Eu, pessoalmente, creio que temos que considerar os dois aspectos. Quantitativos, pregando este evangelho da salvação a toda a criatura até aos confins da terra (aqui devemos apoiar sempre as missões), mas também, a igreja deve procurar à qualidade da fé, a maturidade espiritual, a semelhança como o varão perfeito, produzindo frutos, pois do contrário poderá ser cortada desta Oliveira. Mas, para isto, a Igreja deve estar conectada ao Israel espiritual de Deus, não só com os judeus messiânicos, mas também com o Israel físico, natural, intercedendo por ele, amando-o e profetizando sobre ele.

 

Mas, como poderá Israel ser salvo? Aqui temos duas importantes interpretações. Alguns rabinos messiânicos e teólogos acham que este tempo chegará sozinho e será algo mais ou menos simultâneo, a igreja gentílica alcança a plenitude e Israel é salvo. Outros acham o mesmo, porém a Igreja deve “comprar” esta briga no campo espiritual e interceder por Israel sem cessar, reconectar a ele, estar com ele como nosso irmão mais velho que ainda não foi salvo, ele está nas promessas, mas precisa ser ainda alcançado e salvo. Eu, pessoalmente, creio que se a igreja de Jesus deixar suas atitudes de soberba e até mesmo anti-semitas, em alguns casos, e começar a restaurar suas raízes, aproximando de Israel pelo testemunho verdadeiramente fundamentado na pessoa do Messias, séria, unida, vivendo em amor longe de divisões e perseguições, então, o mundo e Israel saberão que somos um só Corpo e ele, Israel, motivado pelos sinais sobrenaturais de Deus será conduzido a ser um com a Igreja, conforme diz Efésios cap. 2, uma só família de Deus, judeus e gentios na pessoa de Yeshua Há Mashiach.

Assim, podemos concluir que há uma promessa de salvação para todo o Israel de Deus. Não há uma promessa de salvação para o Brasil, Estados unidos, ou para algum país da Europa. Mas, há uma promessa para Israel e o povo judeu. Por isso, a igreja gentílica de Jesus precisa ajudar Israel e trabalhar para a salvação dele. 

Creio que o movimento de viagens de turismo a Israel tem aumentado nos últimos dez anos e ainda aumentará ainda mais. Imaginem todos os crentes tendo esta consciência do enxerto, profetizando, orando, gemendo e ajudando Israel a entrar nas “dores de parto”, dando a luz, filhos judeus convertidos ao senhorio de Yeshua. Este é o ministério de misericórdia que a Igreja gentílica precisa ter pela terra de Israel e pelo seu povo. Os gentios crentes vieram deles, galhos que foram quebrados para que você fosse enxertado. Mas agora é hora de reenxertá-lo na sua própria “oliveira”.

 

(Marcelo M. Guimarães – Ministério Ensinando de Sião – www.ensinandodesiao.org.br )